• Biodanza∞Catarina Almeida

#Cebola


Acontece muitas vezes que, quando chegamos à Biodanza, já começámos a mudança da nossa Vida, que hoje vou chamar de #CEBOLA.

Continua a ler que já explico...


Quer o saibamos conscientemente ou não, aquilo que antes era habitual, suficiente, deixa de o ser - a casca começa a apertar e a limitar a expressão do nosso sentido de quem somos, do que queremos para nós mesmos e para os nossos dias.

Em partilha escutamos frequentemente sobre mudanças dramáticas, como deixar ou mudar de emprego, sobre o fim de uma relação, sobre arriscar, sobre uma ânsia interna de sentido maior, sobre uma urgência sentida, mesmo que não seja facilmente explicada.

Somos pessoas para quem a vida, tal como estava a ser vivida... NÃO CHEGA!

Um grupo de Biodanza recebe muito bem todos os que se sentem assim, todos os que procuram algo mais de si e o fazem dando as mãos e dançando (sobre isso escrevo outro dia...).

E depois?

Depois acontece, semana após semana, escutar que "me sinto livre", "posso ser quem sou", "faço coisas que nem imaginava" e sempre, sempre, que "me sinto bem". E que levamos connosco das aulas ajuda a viver a vida fora.

Constrói-se segurança. Ali estou a salvo da crítica, do julgamento, do "tens que isto" e "tens que aquilo", do apontar de dedo, da insuficiência que é a "normalidade" a que sobrevivemos e antes nos habituámos.

A normalidade que produz esta "casca" da #CEBOLA, seca e dura e que, imagino... pouco saborosa, mas que nos serviu, protegeu, escudou, conteve. E que agora nos limita.

Queremos chegar ao interior, alvo, doce e sumarento!

E "choram"? Sim. Afinal estamos a descascar uma cebola :-) e aprendemos que não é preciso continuar a resistir, a aguentar, a ser fortes à força, de dentes cerrados... (o tal mecanismo que nos seca por fora, não é?!)

E "leva tempo"? Sim. Também demorou tempo até chegar aqui.

Mas, se dizemos "quero mudar de vida" e mantemos a casca, não acontece a real descoberta do interior, e não passa de uma ideia, uma frase da moda, uma coisa apenas na cabeça. O largar da casca, que em Biodanza chamamos de PROCESSO acontece neste espaço que cada um constrói, semana após semana, de confiança crescente e entrega à incrível aventura da redescoberta de si mesmo.

É um caminho incrível e pleno de CORAGEM.


27 Março 2020